s

Para acessar a área restrita use suas credenciais da Área PT

 Login

“Projeto SP” reforça Dia de Mobilização do PT

Em debate com mais de cem pessoas, Fórum de Conjuntura ressalta ações do partido para oposição permanente ao Governo do PSDB e defesa dos Governos do PT com Lula e Dilma

A sétima edição do Fórum de Conjuntura Eleitoral – a primeira da parceria entre o GTE PT-SP e o “Projeto SP” (Projeto Estados da Fundação Perseu Abramo) – desencadeou três iniciativas para consolidar o enfrentamento permanente ao governo do PSDB e a reaproximação com a militância e bases da sociedade: mobilização, comunicação e planejamento.

Realizado na noite desta quarta-feira (1º/7), na sede estadual do PT, o encontro registrou o maior público desde a primeira etapa, iniciada em abril, com o comparecimento de 110 pessoas.

“O ‘Dia Mensal de Mobilização do PT’ e a construção do Fórum dos Movimentos Sociais são instrumentos essenciais para a disputa da hegemonia no estado de São Paulo”, enfatiza o palestrante e secretário de Relações Governamentais da capital paulista, Alexandre Padilha.

Dentre o grupo participante estiveram militantes, presidentes de diretórios, dirigentes, representantes de assessorias parlamentares, de movimentos sindicais e sociais do estado de São Paulo como o vice-presidente estadual da CUT e coordenador da Macro Guarulhos/ Alto Tietê, Douglas Izzo; o deputado estadual Luiz Turco; os coordenadores de Macros, Claudinho da Geladeira (ABC), Angelo Barreto (Campinas) e Irineu Casemiro (Osasco); Jupira Cauhy (Escola Nacional de Formação Política do PT); membros da executiva estadual como Cidão (Comunicação), Paulo Ramos (Combate ao Racismo), Tim Maia (Formação Política), Cilene Obici (Interior), Rogério Cruz (Juventude), Dheison Renan e Vivian Mendes, além da secretária de Políticas para Mulheres da gestão Haddad, Denise Motta Dau.

“A atual conjuntura nos leva ao debate da reflexão e essa iniciativa de percorremos todo o estado de São Paulo, ao lado de lideranças, que sempre foi uma marca do PT, se torna fundamental para se reaproximarmos de nossas bases partidárias e dos movimentos sociais”, avalia Luiz Turco.

“O Fórum dos Movimentos Sociais de São Paulo é um caminho para debater os problemas do estado, mas não dá para ficar apenas no diagnóstico. Temos que construir grandes mobilizações para fazer o enfrentamento e combater a política do ódio e neoliberalismo de setores da direita e da imprensa”, explica Douglas Izzo.

“Foram excelentes intervenções do público presente. A parceria do GTE com o “Projeto SP” produzirá pautas e embasamentos para debates qualificados nas edições do “Dia Mensal de Mobilização”, que se transformarão futuramente em acumulo para a elaboração dos programas de governos e disputa das eleições de 2016”, analisa Rodrigo Funchal.

Projeto SP

Sob a coordenação do presidente da ABM (Associação Brasileira de Municípios), Eduardo Tadeu Pereira, o Projeto SP é uma rede de colaboradores que atua na defesa das conquistas dos governos Lula e Dilma e busca contribuir com a construção de um projeto de esquerda para o estado paulista, por meio do aprofundamento do diagnóstico, desenvolvido pelo “Projeto Estados” da Fundação Perseu Abramo, e contribuições para os programas de governos municipais e estadual, juntamente com os movimentos organizados e representantes da sociedade.

[[{“type”:”media”,”view_mode”:”media_large”,”fid”:”2022″,”attributes”:{“alt”:””,”class”:”media-image”,”height”:”383″,”typeof”:”foaf:Image”,”width”:”680″}}]]

PT e a sociedade

O ex-ministro dos governos Lula e Dilma reforçou a necessidade do embate político na sociedade e o aprofundamento do diagnóstico dos problemas do maior estado da Federação, ao longo dos próximos quatros anos, na discussão de um projeto alternativo para o estado de SP.

“Considerando a importância do nosso discurso e construção de oposição permanente ao PSDB e seus aliados no estado, bem como ajudar na preparação dos programas de governos do PT e aprofundamento do diagnóstico para as eleições locais de 2016, se torna importante a atuação diária dos nossos atores políticos”, ressalta Padilha.

Diante do atual cenário, ele destacou dois passos imediatos para ações concretas do fortalecimento de oposição permanente à gestão tucana e a retomada do diálogo com setores da sociedade: a criação do Dia Mensal de Mobilização do PT-SP e a construção do Fórum dos Movimentos Sociais de São Paulo.

“Acredito que conseguimos construir neste momento um ambiente que possa dar conta, com a capacidade e liderança do PT aliada a força dos movimentos sindicais, sociais, populares e aliados partidários, de construir uma oposição permanente e qualificada no estado de SP com estas duas ações”, enfatiza Padilha.

A primeira empreitada surgiu da necessidade da direção estadual do PT em conjunto com as bancadas estaduais e federais do partido, se reaproximarem da base social e das demandas locais e regionais, ao percorrerem ao longo dos próximos 20 meses, em sistema de rodízio, todo o estado de São Paulo.

Já a segunda ação compreende a união de cerca de 60 instâncias populares da sociedade e aliados partidários que se opõem ao atual projeto político liderado pelo PSDB, na discussão sobre pautas em comum.

Sustentação do ciclo

Para Padilha, a continuidade ao ciclo histórico, iniciado pelos Governos Lula e Dilma nos últimos 12 anos, depende do enfrentamento e ações do estado de São Paulo.

“O Brasil não dá conta de enfrentar os desafios colocados de redução da desigualdade social, retomada do crescimento econômico e ampliação da diversidade e reposicionamento do país no cenário mundial, se São Paulo não colaborar com a retomada deste projeto para o país. O PSDB é um mal para o nosso estado de São Paulo, pois já demonstrou a incapacidade em enfrentar estes desafios”, analisa, ao citar o protagonismo e potencial econômico, cultural e histórico do maior estado da Federação, com mais de 40 milhões de habitantes.

Olhar Paulista

De acordo com o secretário do Governo Haddad, Alexandre Padilha, a direita conservadora perdeu o debate econômico com o campo popular democrático em toda a América Latina e partiu para o ataque de criminalização à esquerda e aos valores morais da sociedade.

“Não só mostramos que conseguimos gerenciar a economia de um país, como ter credibilidade, ao atrair investimentos e realizarmos uma profunda redução da desigualdade econômica e social nos país. Eles [tucanos e seus aliados] perderam o debate da ascensão social, mas partiram para a discussão sobre os valores de liberdade sexual, religiosa e social e começaram a reforçar o conservadorismo exacerbado sobre questões cruciais na sociedade, como os Planos Municipais de Educação e a Redução da Maioridade Penal”, avalia.

Segundo Padilha, uma das metas é realizar atividades públicas e agendas de mobilização que abordem o estado de São Paulo. “Em geral, nós pautamos os assuntos que o PSDB quer pautar no estado: a discussão nacional, regional ou local”, alerta.

Próxima reunião

O Fórum de Conjuntura Eleitoral do GTE PT-SP realiza o oitavo encontro (Temática: Comunicação) no dia 15 de julho (quarta-feira), às 19h, na sede do PT-SP. O espaço é aberto para a participação dos militantes, dirigentes, parlamentares, prefeitos, prefeitas e vices, coordenadores e coordenadoras de Macros, representantes dos movimentos sociais e entidades da sociedade civil.

 

Assina Fábio Sales, GTE-SP