O Intercept Brasil começou a publicar, no domingo (09/06), reportagens explosivas mostrando discussões internas e atitudes altamente controversas, politizadas e legalmente duvidosas da força-tarefa da Lava Jato, coordenada pelo procurador Deltan Dallagnol, em colaboração com o atual ministro da Justiça, Sergio Moro.

Produzidas a partir de arquivos enormes e inéditos – incluindo mensagens privadas, gravações em áudio, vídeos, fotos, documentos judiciais e outros itens – enviados por uma fonte anônima, as reportagens revelam comportamentos antiéticos e transgressões que o Brasil e o mundo têm o direito de conhecer. O material publicado no Brasil também foi resumido em duas reportagens em inglês publicadas no Intercept.

Segundo o Intercept, esse é apenas o começo do que pretendem tornar uma investigação jornalística contínua das ações de Moro, do procurador Deltan Dallagnol e da força-tarefa da Lava Jato – além da conduta de inúmeros indivíduos que ainda detêm um enorme poder político e econômico dentro e fora do Brasil.

A importância dessas revelações se explica pelas consequências incomparáveis das ações da Lava Jato em todos esses anos de investigação. Esse escândalo generalizado envolve diversos oligarcas, lideranças políticas, os últimos presidentes e até mesmo líderes internacionais acusados de corrupção.

O mais relevante: a Lava Jato foi a saga investigativa que levou à prisão o ex-presidente Lula no último ano. Uma vez sentenciado por Sergio Moro, sua condenação foi rapidamente confirmada em segunda instância, o tornando inelegível no momento em que todas as pesquisas mostravam que Lula – que terminou o segundo mandato, em 2010, com 87% de aprovação – liderava a corrida eleitoral de 2018. Sua exclusão da eleição, baseada na decisão de Moro, foi uma peça-chave para abrir um caminho para a vitória de Bolsonaro. A importância dessa reportagem aumentou ainda mais depois da nomeação de Moro ao ministério da Justiça.

Nos links a seguir, você confere as reportagens divulgadas pelo Intercept Brasil e por outros veículos de comunicação brasileiros que fizeram parceria para publicar os vazamentos:

  1. Como e por que o Intercept está publicando chats privados sobre a Lava Jato e Sergio Moro (09/06/2019)
  2. Procuradores da Lava Jato tramaram em segredo para impedir entrevista de Lula antes das eleições por medo de que ajudasse a ‘eleger o Haddad’ (09/06/2019)
  3. Deltan Dallagnol duvidava das provas contra Lula e de propina da Petrobras horas antes da denúncia do triplex (09/06/2019)
  4. Chats privados revelam colaboração proibida de Sergio Moro com Deltan Dallagnol na Lava Jato (09/06/2019)
  5. Leia os diálogos de Sergio Moro e Deltan Dallagnol que embasaram a reportagem do Intercept (12/06/2019)
  6. “A defesa já fez o showzinho dela”, disse Sergio Moro (14/06/2019)
  7. ‘Tem alguma coisa mesmo séria do FHC?’ (18/06/2019)
  8. Inédito: O que disse Moro a senadores e o que fez Dallagnol com procuradora (20/06/2019)
  9. Lava Jato articulou apoio a Moro diante de tensão com STF, mostram mensagens (23/06/2019)
  10. Chats da Lava Jato revelam que procuradores reclamavam de violações éticas de Moro e temiam que operação perdesse toda credibilidade com sua ida ao governo Bolsonaro (29/06/2019)
  11. Lava Jato desconfiou de empreiteiro pivô da prisão de Lula, indicam mensagens (30/06/2019)
  12. Em diálogos, Moro revela conselho de Fausto Silva à Lava Jato (05/07/2019)
  13. Diálogos revelam que Moro era contra a delação de Eduardo Cunha (05/07/2019)
  14. Lava Jato tramou vazamento de delação para interferir na política da Venezuela, após sugestão de Sergio Moro (07/07/2019)
  15. Um mês de #VazaJato: ouça agora áudio inédito dos arquivos do Intercept Brasil (09/07/2019)
  16. Novos diálogos revelam que Moro orientava ilegalmente ações da Lava Jato (12/07/2019)
  17. Novos diálogos: indícios de conversas impróprias entre Deltan e Gebran (12/07/2019)
  18. Deltan Dallagnol usou fama da Lava Jato para lucrar com palestras e livros (14/07/2019)
  19. Deltan pede, e Moro topa, dinheiro da 13ª Vara para campanha publicitária (15/07/2019)
  20. Para Deltan e “Robito”, amanhãs gloriosos; para a população, terror e medo (15/07/2019)
  21. Moro combina reunião com Deltan e PF para coordenar futuro da LJ. É ilegal! (15/07/2019)
  22. Dallagnol pede passagem e hotel para férias da família no Beach Park (16/07/2019)
  23. As estratégias de Deltan, o sedutor, e o jantar/coquetel na casa de Barroso (16/07/2019)
  24. Mensagens apontam que Moro interferiu em negociação de delações (18/07/2019)
  25. Deltan Dallagnol, em chats secretos, sugeriu que Sergio Moro protegeria Flavio Bolsonaro para não desagradar o presidente e não perder indicação ao STF (21/07/2019)
  26. Deltan Dallagnol deu palestra remunerada para empresa investigada na Lava Jato (26/07/2019)
  27. Deltan foi estrela de encontro com bancos e investidores organizado pela XP ‘com compromisso de confidencialidade’ (26/07/2019)
  28. Moro achava fraca delação de Palocci que divulgou às vésperas de eleição, sugerem mensagens (29/07/2019)
  29. Deltan Dallagnol incentivou cerco da Lava Jato ao ministro do STF Dias Toffoli (01/08/2019)
  30. Moro omitiu palestra remunerada em prestação de contas como juiz federal (04/08/2019)
  31. Lava Jato planejou buscar na Suíça provas contra Gilmar Mendes (06/08/2019)
  32. Deltan usou partido político para mover ação contra Gilmar Mendes no STF (07/08/2019)
  33. Lava Jato viu em resultado das eleições no Senado chance de tirar Gilmar (08/08/2019)
  34. Corregedor do MPF deu bronca, mas perdoou “conduta grave” de Dallagnol (08/08/2019)
  35. Deltan e Lava Jato usaram Vem Pra Rua e instituto Mude como lobistas para pressionar STF e governo (11/08/2019)
  36. Diálogos indicam que Moro instruiu força-tarefa a não apreender celulares de Eduardo Cunha (12/08/2019)
  37. Deltan rejeitou receber prêmio ao lado de Bolsonaro e “radicais de direita” (14/08/2019)
  38. Deltan fez lobby com STF e governo Bolsonaro para tentar emplacar novo PGR (16/08/2019)
  39. Lava Jato usava chats para pedir dados fiscais sigilosos sem autorização judicial ao atual chefe do COAF (18/08/2019)
  40. Deltan teria idealizado monumento à Lava Jato, mas Moro previu crítica (21/08/2019)
  41. Como os grandes bancos escaparam da Lava Jato (23/08/2019)
  42. Dallagnol alterou contratos e filantropia ficou de lado, mostram mensagens (23/08/2019)
  43. Áudios: Corregedor-geral do MPF acobertou confissão de procurador da Lava Jato que pagou por outdoor ilegal (26/08/2019)
  44. Procuradores da Lava Jato ironizam morte de Marisa Letícia e luto de Lula (27/08/2019)
  45. Dallagnol mentiu: Lava Jato vazou sim informações das investigações para a imprensa — às vezes para intimidar suspeitos e manipular delações (29/08/2019)
  46. Delator preso pela Lava Jato diz ter lavado dinheiro para Grupo Silvio Santos (29/08/2019)
  47. Deltan captava recursos de empresários para Instituto Mude (02/09/2019)
  48. Deltan avaliou concorrer ao Senado, deixou em aberto tentar em 2022 e via necessidade de o MPF ‘lançar um candidato por Estado’ (03/09/2019)
  49. O limbo legal da Lava Jato que confiou cegamente no Telegram (06/09/2019)
  50. Conversas de Lula mantidas sob sigilo pela Lava Jato enfraquecem tese de Moro (08/09/2019)
  51. Lava Jato ignorou fraude relatada por Cunha em processo de cassação (10/09/2019)
  52. Moro autorizou devassa na vida de filha de investigado da Lava Jato para tentar prendê-lo (11/09/2019)
  53. OAS afirma que assumiu obra deficitária na Bolívia por exigência de Lula (16/09/2019)
  54. ILEGAL E IMORAL 1: Cotada por Aras tramou com advogado contra membro do STF (16/09/2019)
  55. ILEGAL E IMORAL 2: Envolvidos não comentam “material de origem criminosa” (16/09/2019)
  56. ILEGAL E IMORAL 3: Escritório de advogado atua para acionistas da Petrobras (16/09/2019)
  57. ILEGAL E IMORAL 4: Leia as perguntas enviadas a Thamea, Deltan e Carvalhosa (16/09/2019)
  58. Lava Jato poupou donos da Odebrecht de medidas drásticas para fechar delação (22/09/2019)
  59. De olho em vaga no Senado em 2022, Dallagnol mirou apoio de evangélicos (23/09/2019)
  60. Laços estreitados em Oxford em 2016 fizeram de Barroso orientador de Deltan (25/09/2019)
  61. Lava Jato usou provas ilegais do exterior para prender futuros delatores (27/09/2019)
  62. Como Barroso, Fachin e Fux blindaram a Lava Jato no STF (06/10/2019)
  63. Lava Jato usou denúncia do sítio contra Lula para distrair público de crise com Temer e Janot e proteger colegas (14/10/2019)
  64. Às vésperas do afastamento de Dilma, Lava Jato rejeitou delação que prenderia Temer em 2019 (18/10/2019)
  65. ‘Russo deferiu uma busca que não foi pedida por ninguém’ (19/10/2019)
  66. Lava Jato levou ministro do STF a manter empreiteiros presos para fechar delação (27/10/2019)

Nos links a seguir, você encontra um histórico do avanço das reportagens, das parcerias com outros órgãos de comunicação e da reação dos envolvidos nos vazamentos:

  1. A quem interessa a narrativa dos ‘hackers criminosos’ na #VazaJato? (17/06/2019)
  2. Antes de serem alvos de vazamentos, Deltan e Lava Jato celebravam direito de jornalistas publicarem informações vazadas ilegalmente (22/06/2019)
  3. Anunciamos nossa parceria jornalística com a Folha no arquivo da Vaza Jato – e as impropriedades reveladas na primeira reportagem conjunta com o jornal (23/06/2019)
  4. Intercept e Veja publicam reportagem de capa que mostra impropriedades em série – e inéditas – de Sergio Moro na Lava Jato (05/07/2019)
  5. Como o Intercept Brasil confirma a identidade das pessoas que aparecem nos chats da #VazaJato (08/07/2019)
  6. #VazaJato: as provas de que os chats são autênticos agora vêm de diversos veículos de comunicação – são definitivas e esmagadoras (15/07/2019)
  7. MPF requer arquivamento de ações que tentam impedir continuação da Vaza Jato. Uma delas é de deputado do PSL (26/07/2019)
  8. A reação do governo Bolsonaro contra a Vaza Jato mostra por que nossas reportagens sobre o arquivo secreto são tão vitais (28/07/2019)
  9. UOL faz parceria com Intercept em reportagens sobre mensagens da Lava Jato (07/08/2019)
  10. Por que o EL PAÍS decidiu publicar as mensagens da Lava Jato vazadas ao ‘The Intercept’ (22/08/2019)
  11. A turma protegida pela Lava Jato: bancos, FHC, Guedes, Álvaro Dias e Onyx (25/08/2019)
  12. Juiz que atuou na Lava Jato manda CNMP tirar de pauta processo que poderia punir Dallagnol (26/08/2019)
  13. O casamento por conveniência de Bolsonaro e Lava Jato: combate à corrupção era fachada (01/09/2019)
  14. Programa Roda Viva com o jornalista e advogado Glenn Greenwald (02/09/2019)
  15. Registro de acesso a dados da Receita no início da Lava Jato foi apagado (10/09/2019)
  16. Reinaldo diz que Moro agiu como mafioso (12/09/2019)
  17. PT vai ao STF contra Moro e procuradores por grampo ilegal e manipulado de Lula (12/09/2019)
  18. CPI da Vaza Jato: oposição consegue assinaturas suficientes e protocola pedido (12/09/2019)
  19. Para defesa de Lula, empresário Léo Pinheiro mente para obter benefícios (16/09/2019)
  20. Três meses de revelações do Intercept e nada acontece no Brasil (16/09/2019)
  21. Delegado da PF diz que Lava Jato tentou destruir provas a pedido de colega promovido por Moro (30/09/2019)
  22. Nome de Lula é citado mais de 14 mil vezes nos chats da Vaza Jato revelando obsessão dos procuradores (02/10/2019)
  23. Glenn: temos muito mais Vaza Jato, incluindo o papel de parceria da mídia com Moro e procuradores (08/10/2019)
  24. Dallagnol será retirado do comando da Lava Jato (11/10/2019)
  25. Deltan procurou empresas para fazer acordo com governo dos EUA (12/10/2019)
  26. Celso de Mello nega HC que tentava derrubar o site The Intercept (14/10/2019)
  27. Maioria acredita que Lava Jato cometeu excessos, aponta pesquisa do mercado (15/10/2019)
  28. Lava Jato operou para abrir mercado a empresas estrangeiras (17/10/2019)
  29. Lava Jato tira o Brasil da liderança no ranking da construção civil na América Latina (18/10/2019)
  30. Glenn rebate críticas de Moro: “Um homenzinho desonesto mesmo com questões triviais” (19/10/2019)
  31. Surgem as provas da atuação de Moro, o Russo, como chefe da ORCRIM (19/10/2019)
  32. Dallagnol não pode ser premiado (21/10/2019)
  33. ‘The Intercept’ e ‘Folha’ publicam novos diálogos de Moro e elevam voltagem da crise e pressão sobre STF (23/10/2019)
  34. Moro queimou imagem de herói, diz editora americana do The Intercept (24/10/2019)
  35. Vaza Jato: Teori cedeu à pressão de Moro e procuradores e manteve empresários presos (27/10/2019)

Nota da defesa de Lula sobre operação combinada de procuradores da Lava Jato

Em diversos recursos e em comunicado formalizado perante o Comitê de Direitos Humanos da ONU em julho de 2016 demonstramos, com inúmeras provas, que na Operação Lava Jato houve uma atuação combinada entre os procuradores e o ex-juiz Sérgio Moro com o objetivo pré-estabelecido e com clara motivação política, de processar, condenar e retirar a liberdade do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A reportagem publicada hoje (09/06/2019) pelo portal “The Intercept” revela detalhes dessa trama que foi afirmada em todas as peças que subscrevemos na condição de advogados de Lula a partir dos elementos que coletamos nos inquéritos, nos processos e na conduta extraprocessual dos procuradores da Lava Jato e do ex-juiz Sergio Moro.

A atuação ajustada dos procuradores e do ex-juiz da causa, com objetivos políticos, sujeitou Lula e sua família às mais diversas arbitrariedades. A esse cenário devem ser somadas diversas outras grosseiras ilegalidades, como a interceptação do principal ramal do nosso escritório de advocacia para que fosse acompanhada em tempo real a estratégia da defesa de Lula, além da prática de outros atos de intimidação e com o claro objetivo de inviabilizar a defesa do ex-Presidente.

Ninguém pode ter dúvida de que os processos contra o ex-Presidente Lula estão corrompidos pelo que há de mais grave em termos de violações a garantias fundamentais e à negativa de direitos. O restabelecimento da liberdade plena de Lula é urgente, assim como o reconhecimento mais pleno e cabal de que ele não praticou qualquer crime e que é vítima de “lawfare”, que é a manipulação das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política.

Cristiano Zanin

Nota do Comitê Lula Livre – Mensagens provam que julgamento de Lula foi farsa judicial

As conversas tornadas públicas pelo site “The Intercept” demonstram a condução antiética e criminosa dos principais atores da Operação Lava Jato.

O ex-juiz Sérgio Moro e o Ministério Público estabeleceram relação de conluio para perseguir e condenar réus que eram seus alvos políticos, especialmente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A troca de inúmeras mensagens comprova que o atual ministro da Justiça era o chefe real das investigações, seu tutor e maestro, ferindo as normas da Constituição e do código de ética da magistratura.

O antigo responsável pela 13ª Vara Criminal Federal, de Curitiba, rompeu com as normas do devido processo legal, da imparcialidade e da independência do julgador.

Moro e os procuradores liderados por Deltan Dallagnol conspiraram para fabricar evidências que driblassem a regra do juízo natural, a presunção de inocência e o amplo direito de defesa.

Atuaram abertamente para influir no resultado das eleições presidenciais de 2018. Em uma primeira etapa, para condenar o ex-presidente e torná-lo inelegível. Depois, para impedir que sua voz fosse ouvida pelos eleitores antes do pleito.

Atuaram como cabos eleitorais de Jair Bolsonaro, que acabou por recompensar Sérgio Moro com o cargo que atualmente ocupa, para vergonha dos brasileiros e brasileiras que têm compromisso com a democracia.

São incontáveis as provas, nos diálogos informados, de que a Operação Lava Jato e os julgamentos de Lula são a maior fraude judicial de nossa história. Uma demonstração inequívoca do que temos denunciado: o sistema de justiça vem sendo manipulado para servir de arma dos setores mais conservadores de nosso país.

O restabelecimento da ordem democrática exige a imediata demissão do ministro da Justiça, com a responsabilização criminal e a abertura de processos administrativos contra todos os que participaram da conspiração sob seu comando, que também devem ser prontamente afastados de suas funções.

O parlamento não pode se calar: estão sobre a mesa todos os motivos para abrir uma comissão de investigação sobre os delitos da Operação Lava Jato.

Exigimos, das cortes superiores, a anulação dos julgamentos que condenaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com sua imediata libertação e o pleno reconhecimento de sua inocência.

O combate à corrupção, anseio nacional, não pode servir de bandeira para a ação ilegal, antidemocrática e antipatriótica de um grupo que, por esse caminho, pretende tomar de assalto o Estado.

São Paulo, 10 de junho de 2019

Comitê Nacional Lula Livre