Publicado originalmente em Rede Brasil Atual

Publicado no site do PT em 08/03/2013




A secretária de Políticas para as Mulheres do Município de São Paulo, Denise Motta Dau, anunciou nesta sexta-feira (8) que sua pasta fechou colaborações com as de Transporte, Serviço Social, Habitação, Saúde e de Serviços para garantir prioridade de atendimento às bandeiras de luta das mulheres e em programas sociais da prefeitura.

A notícia foi dada durante o seminário “História de Luta por Igualdade na Vida, no Mundo do Trabalho, no Movimento Sindical e a Paridade na CUT”, promovido pela CUT, para celebrar o Dia Internacional da Luta pelos Direitos da Mulher, comemorado hoje. O evento foi realizado na sede do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.

Segundo Denise, a Secretaria de Transportes vai iniciar uma campanha contra o assédio sexual no transporte público, em especial nos ônibus. Serão exibidas vinhetas educativas na rede fechada de tevê transmitida nas composições e serão publicados anúncios da campanha em um jornal que já é distribuído aos usuários. Além disso, será oferecido um curso de capacitação para os funcionários da SPTrans, para que eles atendam às queixas de maneira apropriada.

A Secretaria de Serviços vai iniciar o projeto de adequação da iluminação pública da cidade pelos locais apontados como os mais perigosos para as mulheres, de acordo com indicadores do mapa de violência da cidade. A Secretaria de Serviços sociais ficou responsável por priorizar o atendimento das mulheres vítimas de atos violentos nos abrigos da cidade.

A Secretaria de Habitação vai priorizar as mulheres vítimas de violência doméstica para o repasse do aluguel social da prefeitura. Denise lembrou que muitas mulheres não conseguem romper o círculo doméstico violento por conta da dependência econômica do parceiro. “Priorizando essas mulheres, você consegue quebrar essa situação de violência.”

Ainda segundo informou Denise, a Secretaria de Saúde se comprometeu a iniciar o Programa Hora Certa, que visa a agilizar o atendimento médico no município, pelas mulheres, focando em exames como ultrassom transvaginal, mamografia e Papanicolau. A expectativa da secretária é que até maio sejam fechadas parcerias para atender às mulheres com outras três secretarias: Trabalho, Igualdade Racial e Educação, em especial visando a ampliar o número de vagas em creches.

De acordo com a secretária, as parcerias, que foram fechadas ontem (7), têm a intenção de promover a intersetorialidade das ações para as mulheres nas políticas públicas do governo municipal. “Demandas das mulheres não são de uma só secretaria. Essas políticas precisam estar permeadas em todas as ações, porque as mulheres estão presentes em todas elas.”

No evento promovido pela CUT, Denise apresentou uma cartilha informativa, produzida pela sua pasta, sobre violência contra mulher. Entre os serviços, além de orientação para vítimas da violência, a publicação informa sobre a lei Maria da Penha e uma relação de locais para denúncia e acolhimento das vítimas na capital paulista – os Centros de Cidadania da Mulher (CCM), as Casas Abrigo e os Centros de Atendimento para Mulheres Vítimas de Violência.