s

Para acessar a área restrita use suas credenciais da Área PT

 Login

Em Pauta: O trabalhador perdeu rendimento porque houve inflação?
 
[[{“type”:”media”,”view_mode”:”media_large”,”fid”:”1163″,”attributes”:{“alt”:””,”class”:”media-image”,”style”:”width: 680px; height: 443px;”,”typeof”:”foaf:Image”}}]]
 

É possível aferir o valor do ganho médio (ou habitual) de um trabalhador. A Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE investiga esse valor. Em janeiro de 2003, era R$ 739,30. Passados mais de dez anos, este valor alcançou R$ 1.664,70 em maio de 2013. Houve um aumento expressivo. Entretanto, é preciso descontar a inflação, já que o rendimento do trabalhador aumentou, mas também houve elevação de preços. A diferença entre o valor nominal do rendimento e a inflação expressa o ganho ou a perda real de poder de compra do salário do trabalhador.

O gráfico mostra que, entre janeiro de 2003 e maio de 2013, a variação acumulada do rendimento do trabalhador foi superior a inflação. Houve aumento real, que foi significativo. O rendimento cresceu 125,2% e a inflação no mesmo período foi de 77,7%. A diferença expressa o ganho real. Mais ainda: o gráfico mostra que os ganhos reais dos trabalhadores estão aumentando a cada mês. Desde 2006, a inflação acumulada é inferior ao aumento do rendimento dos trabalhadores.

Conclusão: não está havendo perda dos ganhos gerados nos últimos tempos. Pelo contrário, os ganhos continuam aumentando. 

por João Sicsú & Ernesto Salles

 

*Este conteúdo integra a série Em Pauta Inflação, que será atualizada ao longo das próximas semanas.