s

Para acessar a área restrita use suas credenciais da Área PT

 Login

Em Pauta Conjuntura: Ilegalidades na Lava Jato
O Brasil acompanhou a um dos maiores abusos de poder já executados pelo Ministério Público e judiciário. Na última sexta-feira (4 de março), o Presidente Lula foi levado de maneira coercitiva – sem nenhuma intimação prévia, o que constitui ilegalidade – a depor.
O ex-ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, escreveu um artigo onde compara a perseguição midiática – e do judiciário – ao Macartismo americano, onde se perseguia pessoas e lideranças livremente, em nome de acabar com o risco comunista.
Sobre isso, o jurista Celso Antônio Bandeira de Mello afirmou que a condução coercitiva do ex-Presidente foi uma “ilegalidade grosseira” e pediu a punição do juiz federal Sérgio Fernando Moro e do próprio Ministério Público. Outro jurista, Pedro Serrano, também considerou a ação um dos maiores abusos já vistos no país. Além deles,  Lenio Luiz Streck, professor e pós-doutor em Direito, também criticou o ocorrido.
Ao mesmo tempo, intelectuais e artistas prestaram solidariedade a Lula nas redes e o jornalista Fernando Morais se colocou à disposição da justiça para prestar esclarecimentos na condição de testemunha de Lula, já que ele afirma ter acompanhado o ex-presidente em mais de dez viagens nas quais Lula fez palestras.
O portal Carta Maior fez um editorial afirmando que o que houve foi uma afronta ao Estado Democrático de Direito, opinião corroborada pelo ministro do STF, Marco Aurélio, que afirmou ontem em programa de entrevista na televisão aberta que “não quero para mim a ‘proteção’ que Moro deu ao Lula”.
O instituto de pesquisas Vox Populi fez uma pesquisa na qual se constata que a maior parte dos entrevistados considerou um erro a ação da Polícia Federal, na última sexta-feira.
Se você ainda não viu a fala de Lula, depois do ocorrido, na sede nacional do PT em São Paulo, confira aqui.
Outros Temas
Globo apela e agora pede socorro aos militares
Assustada com a onda de solidariedade ao ex-presidente Lula, que inflamou sua base de apoio junto aos movimentos sociais, a Globo, que ajudou a implantar uma ditadura militar no Brasil em 1964, agora usa dois de seus colunistas, Merval Pereira e Ricardo Noblat, para espalhar que os militares estão prontos para colocar ordem na casa. Confira.
Mirian Dutra confirma que apartamento de luxo em Paris pertence ao FHC
Em entrevista ao jornalista Joaquim de Carvalho, do DCM, Mírian Dutra, ex-apresentadora da Globo e ex-amante de Fernando Henrique Cardoso, conta que o ex-presidente tem um apartamento em Nova York – segundo ela, no Trump Tower — e outro em Paris. Veja no Portal 247.
“A Globo não é dona do Brasil”, diz Sidney Rezende
Para o jornalista, que foi demitido da emissora em 2015, a Rede Globo está “extrapolando os limites”. Confira na Agência PT.
Operação Lava Jato, conbate a corrupção e estado de direito
O poder judiciário ao aumentar suas prerrogativas no período democrático recente está forjando elementos de um juristocracia que nega a soberania popular e considera a si próprio um poder acima da legalidade. Confira no portal GGN.
A impunidade escandalosa de Aécio neves
O DCM apresentou o documentário sobre a Lista de Furnas. Com direção do talentoso documentarista e produtor Max Alvim, ele é baseado nas matérias de Joaquim de Carvalho, um dos melhores repórteres do Brasil, colaborador dileto do Diário. Confira.
Manual para entender por que a Lava Jato tem motivação política, por Maria Inês Nassif
O aparelho político-burocrático-midiático em que operação se sustenta é historicamente comprometido com o status quo. Leia o artigo de Maria Inês Nassif.
Lava jato e Mãos Limpas, diferenças e semelhanças
A Operação Mãos Limpas (em italiano, Mani Pulite) tem diferenças e semelhanças com a Lava Jato brasileira, embora ambas tenham sido criadas com o intuito de desestabilizar a política dos dois países – Itália e Brasil – criando um novo arranjo político-institucional. Entenda.
Doações iniciais ao Instituto FHC equivalem a R$16,3 milhões
Fossem hoje, as doações feitas por 12 empresas (brasileiras e estrangeiras) para a criação do Instituto FHC, equivaleriam a R$ 16,3 milhões; montante é mais de quatro vezes o montante recebido pelo Instituto Lula da Camargo Corrêa entre 2011 e 2013. Leia na Revista Fórum.
Juíza que mandou exonerar Ministro da Justiça é acusada de cinco crimes
A juíza Solange Salgado da Silva Ramos de Vasconcelos, que deu uma liminar exonerando o ministro da Justiça, Wellington César Lima e Silva, foi denunciada pela Procuradoria Regional da República da 1a Região por gestão fraudulenta, falsidade ideológica, apropriação indébita, uso de documento falso e lavagem de dinheiro. Entenda o caso no Portal 247.
A Escola Nacional de Formação deseja muita força na luta das mulheres pelos direitos que ainda não estão garantidos!