Cresce no mundo o número de movimentos a favor da liberdade do ex-presidente Lula e contra o golpe que houve no Brasil. Em uma noite memorável, milhares de pessoas se reuniram na Plaza de Mayo, em Buenos Aires, no dia 19 de maio, para o “Lula Festiva, América Latina em emergência”. Confira as fotos deste encontro histórico aqui.

O evento nasceu da necessidade de reparação política, por Lula, por Marielle e pela restauração da democracia na América Latina. Os gritos vieram de muitas gargantas – setores sindicais, movimentos sociais, mídia independente, organizações feministas, de direitos humanos, trabalhadores e trabalhadoras da cultura que tomaram a capital argentina como um só punho no ar.

O evento foi organizado por: Emergentes (ARG), Mídia NINJA (BRA), Ni Una Menos (ARG), Media Red (URU), CTEP (ARG), CGT (ARG), CLACSO (LATAM), Centro Cultural de la Cooperación, ATE (ARG), CTA Autónoma (ARG), CTA de los trabajadores (ARG) junto con los aliados, Telartes (BOL), Proderechos (URU), Códigos Libres (VEN) y Cultura de Red (Latam).

Cinco países em conjunto pelo Brasil e por um governo que tirou 40 milhões de brasileiras e brasileiros da pobreza, reduzindo-a para 27% no país de maior desigualdade da América Latina. Em prol de Marielle, na última semana, cinco dos sete projetos que a vereadora havia apresentados na Câmara do Rio foram aprovados, garantindo direitos de mulheres e adolescentes cariocas.

No Brasil, o ex-presidente Lula também foi homenageado e alvo de orações em uma vigília realizada em Aparecida do Norte, interior de São Paulo, no domingo (20/05). Com faixa “Lula Livre”, bandeira do Brasil e roupa vermelha, a multidão pediu Justiça a Nossa Senhora.

Do mesmo modo, vários artistas que participaram da Virada Cultural de São Paulo, nos dias 19 e 20 de maio, manifestaram seu apoio a Lula e pediram sua liberdade. Um exemplo foi o grupo Nação Zumbi, que se apresentou no palco principal da Chácara do Jockey. O vocalista Jorge du Peixe foi saudado aos gritos quando pediu “Lula Livre” antes da canção “Meu Maracatu Pesa uma Tonelada”.

Confira outros destaques

1. Lula no Le Monde: Por que eu quero voltar a ser presidente

“Sou candidato a presidente do Brasil, nas eleições de outubro, porque não cometi nenhum crime e porque sei que posso fazer o país retomar o caminho da democracia e do desenvolvimento, em benefício do nosso povo. Depois de tudo que fiz como presidente da República, tenho certeza de que posso resgatar a credibilidade do governo, sem a qual não há crescimento econômico nem a defesa dos interesses nacionais. Sou candidato para devolver aos pobres e excluídos sua dignidade, a garantia de seus direitos e a esperança de uma vida melhor”. Leia o artigo na íntegra aqui.

2. Campanha do agasalho vai ajudar a manter aquecida a luta pela democracia

Ajude a manter aquecida a luta pela democracia, por Lula Livre e contras as arbitrariedades e manipulações judiciais. Doe agasalhos, luvas, meias e cobertores na Vigília Lula Livre, Praça Olga Benário, em frente à sede Polícia Federal, em Curitiba (PR). Para as doações financeiras, acesse o site www.vigilialulalivre.pt.org.br. Leia mais aqui.

3. Gleisi desmente falsas denúncias de relatório da PF

A presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann, rebateu falsas denúncias que circularam nos portais da internet na quinta-feira (17/05) e que constariam de um relatório da Polícia Federal, vazado de um inquérito que está sob sigilo. Em nota, ela contestou: “Como é que um processo que corre em segredo de Justiça tem um suposto relatório vazado para a imprensa, sem que isso seja do meu conhecimento ou da minha defesa? Com que objetivo? Nunca tive contas pagas por terceiros nem recebi dinheiro ilegal para mim ou para campanhas eleitorais. A investigação a que se refere a reportagem se arrasta há dois anos e meio e não concluiu nada, a julgar pelas insinuações levianas, que remetem a terceiros, ao invés de sustentar acusações concretas. Não há qualquer fato ou prova que possa levar a isso”. Leia a nota na íntegra aqui.

4. Rafael Correa: “Um Plano Condor 2 está em curso para exterminar a esquerda na América Latina”

Em vídeo no qual comenta a interferência dos Estados Unidos nas eleições da Venezuela, o ex-presidente do Equador, Rafael Correa, falou sobre a restauração conservadora na América Latina, chamando essa radicalização e aprofundamento do neoliberalismo de Operação Condor 2, uma vez que não respeitam a democracia, os direitos humanos e a integração regional. Assista aqui.

5. Nicolás Maduro é reeleito para segundo mandato como presidente da Venezuela

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, venceu as eleições presidenciais realizadas no domingo (20/05) no país, anunciou a presidente do CNE (Conselho Nacional Eleitoral), Tibisay Lucena. Segundo a oficial, que anunciou os números por volta das 23h20 de Brasília, a tendência é irreversível e aponta para a vitória de Maduro, que, até o momento, tem 67,7% dos votos (5.823.728 do total). O candidato da oposição, Henri Falcón, somou 21,2% (1.820.552 votos); Javier Bertucci, 10,75% (925.042); Reinaldo Quijada, 0,4% (34.614). Segundo o CNE, 46,01% dos venezuelanos compareceram às urnas. Leia mais aqui.

6. 170 mil jovens abandonaram graduação no último ano

As políticas de arrocho e de corte generalizadas continuam fazendo um estrago sem precedentes na economia e no acesso a todo tipo de educação no país, do ensino fundamental à pós graduação. O novo dado do IBGE é: 170 mil brasileiros entre 19 e 25 anos abandonaram a graduação só no ano passado e tiveram que adiar o sonho de ascender socialmente pelos estudos. A evasão aumentou entre 2016 e 2017, acompanhando o movimento de fechamento dos postos de trabalho e a redução da oferta de financiamento estudantil. Leia mais aqui.

7. Panela de Curitiba ferve, diz Tacla Duran no Twitter

O advogado Rodrigo Tacla Durán, ex-funcionário da Odebrecht, investigado na Operação Lava Jato que está na Espanha, publicou em seu Twitter uma pequena provocação: “Panela de Curitiba ferve”, em referência à delação de doleiros do caso Banestado. Acusados de compor um esquema chefiado pelo “doleiro dos doleiros”, Dario Messer, os dois outros doleiros – Vinícius Claret, conhecido como “Juca Bala”, e Cláudio de Souza – revelaram, em delação premiada ao Ministério Público Federal, que entre 2006 e 2013 foi montado um esquema de corrupção em Curitiba. Ambos garantiram que pagavam uma taxa mensal de proteção, no valor de US$ 50 mil (cerca de R$ 186 mil), ao advogado Antonio Figueiredo Basto e um colega, cujo nome não foi divulgado, para não serem presos, em função das delações do caso Banestado, que correu na jurisdição de Sergio Moro. O advogado, por conta da propina, defendia os doleiros no Ministério Público e na Polícia Federal. Essas informações corroboram justamente depoimentos de Tacla Durán. Leia mais aqui.

8. Empresa de pedágio relata propina de R$ 5 milhões a Alckmin por meio do cunhado

Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à presidência da República, apontado como o “santo” nas planilhas da Odebrecht, ganhou um novo problema para resolver, além de não conseguir fazer decolar sua candidatura. A CCR, principal concessionária de estradas do país, revelou ter doado R$ 5 milhões para o caixa dois da sua campanha ao governo paulista em 2010. O dinheiro teria sido entregue ao cunhado de Alckmin, Adhemar Ribeiro, e a denúncia de propinas também atinge os tucanos José Serra e Aloysio Nunes. Leia mais aqui.

9. Efeito do golpe, mortalidade na infância cresce, depois de 15 anos de redução

Um enorme esforço do governo federal e da sociedade civil durante 15 anos para diminuir as taxas de mortalidade de bebês e crianças começa agora a ser desfeito, às custas do argumento do ajuste fiscal promovido pelo governo de Michel Temer. Depois de mais de uma década com quedas consecutivas, a taxa de mortalidade na infância (proporção de óbitos de menores de cinco anos para cada mil nascidos vivos) subiu 11% em 2016, em comparação com o ano anterior. Os dados foram tabulados pela Fundação Abrinq, a partir de informações do Ministério da Saúde/DataSUS, IBGE e outras fontes oficiais. Seguindo as metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidas pela Organização das Nações Unidas (ONU), a mortalidade na infância caiu de 30,1/para cada mil nascidos vivos, no ano 2000, para 14,3, em 2015. Leia mais aqui.

10. Projeto do livro “Relembrar para Resistir” nasce na Vigília

“Como Lula entrou em sua vida?”. Com essa pergunta simples, mas muito emblemática, dois escritores de São Paulo, Flávia Bolaffi e Carlos Henrique Ralize, realizaram uma oficina na Vigília Lula Livre em Curitiba/PR. Mas a roda de conversa acabou se tornando uma série de relatos emocionados daqueles que tiveram suas vidas mudadas pelos governos de Lula. Flávia e Carlos passaram o sábado (19/05) e o domingo (20) na vigília, fazendo essa pergunta àqueles que resistem há mais de 40 dias na praça Olga Benário, em frente à sede da Polícia Federal, onde Lula é mantido como preso político desde 7 de abril. A cada resposta, o ProUni, Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, Luz Para Todos, surgiam como conquistas que mudaram de vez a vida dessas pessoas. “Vários relatos me marcaram muito, pois, mesmo eu sendo militante, de esquerda, a gente acaba não vivendo a realidade dessas pessoas, aquelas que efetivamente foram beneficiárias dos programas sociais, educacionais de Lula. Essas pessoas sim, contam como ele mudou a vida deles no âmbito individual, de suas famílias e amigos. É muito emocionante”, relatou Flávia. Leia mais aqui.