Organizando a Campanha Eleitoral do PT 2019

Organizando a Campanha Eleitoral do PT 2019

Roteiro Detalhado – 1º Momento

1) Quais os principais objetivos da sua campanha? 

2) Quais os principais pontos fortes da nossa candidatura e o que fazer para reforçá-los?

Foi utilizado o termo candidatura para incluir, na análise, tanto as características do (a) candidato (a) a prefeito (a) ou a vereador (a), quanto do governo do PT ou da coligação, quando for o caso, para identificar as realizações e posturas que devam ser trabalhadas como pontos fortes.

Tanto os pontos fortes como os fracos devem ser considerados segundo a percepção do (a) eleitor (a) e não a do (a) militante ou do (a) dirigente. Tanto quanto possível, esse quadro pode ser verificado por pesquisas de opinião.

O (a) responsável por cada ação é aquela pessoa que tem a responsabilidade política para que a ação seja bem-sucedida e que prestará contas da sua execução perante a Coordenação da Campanha. Poderá participar da sua execução ou apenas coordenará ou acionará pessoas que o farão.

3) Quais os principais pontos fracos da nossa candidatura e o que fazer para minimizá-los?

Incluir na análise tanto as características do (a) candidato (a) quanto do governo do PT ou da coligação, quando for o caso, para destacar as fragilidades ou promessas não cumpridas que devam ser trabalhadas.

Avaliar se o conhecimento das ações e realizações do Governo do Presidente Lula e da Presidenta Dilma, pelo (a) candidato (a), pela Coordenação da Campanha, pelos (as) candidatos (as) a vereador (a) e pela militância, é um ponto fraco. Caso seja, há que propor ações para superar essa fragilidade, num curto período de tempo. Se necessário, utilizar os conteúdos das Aulas Complementares para elaborar material sobre o legado dos governos do PT no âmbito federal.

4) Quais os principais pontos fortes dos (as) principais candidatos (as) adversários (as) e o que fazer para neutralizá-los? Repetir a mesma pergunta para cada adversário (a).

Analisar todos os (as) candidatos (as), começando pelo mais conhecido.

5) Quais são os principais pontos fracos do (a) candidato (a) adversário (a) e o que fazer para realçá-los? Repetir a mesma pergunta para cada adversário (a). No caso de planejamento de campanha para vereança, repetir a mesma pergunta para cada adversário, restringindo-se aos principais. Valem as mesmas considerações dos itens 2 e 3, só que em relação aos adversários.


6) Quais são os atores relevantes (lideranças de Setores e de Áreas), isto é, quem pode influenciar de forma decisiva o desenvolvimento da campanha? Como se posicionam em relação à nossa candidatura e quais as ações necessárias para mobilizá-los ou neutralizá-los? 
No caso de planejamento de campanha à vereança, repetir a mesma pergunta para cada adversário, restringindo-se aos principais. Valem as mesmas observações dos itens 2 e 3, só que em relação aos adversários.

Definimos como ator uma pessoa ou instância de direção que representa uma entidade que tem projeto, que participa do jogo social e do jogo eleitoral, que acumula ou perde força à medida que desenvolve sua estratégia. Apoia, rejeita ou é indiferente ao movimento ou projetos dos demais atores.

Como exemplos: não devem ser considerados atores: os estudantes universitários, os operários, os trabalhadores rurais. São atores: direção do grêmio estudantil, direção do Sindicato dos Metalúrgicos, direção da FETAG.

Algumas personalidades de expressão também podem ser atores sociais relevantes para o jogo eleitoral: uma liderança religiosa, um intelectual de renome, artista reconhecido, entre outros.

Como já foi dito, na Aula 6 do Módulo 3, disponibilizamos as orientações para a realização do mapeamento de atores sociais relevantes para a campanha. Recomendamos que esse mapeamento seja feito para facilitar o levantamento de informações sobre estes atores no seu município.

7) Quais são os recursos disponíveis hoje para a campanha?

Fazer um levantamento prévio do orçamento disponível. Vale dizer que este orçamento pode ser alterado ao longo da campanha, caso seja necessário.

8) Quais as principais ações para estruturar a campanha? (Mídia, Propaganda, Infraestrutura, Proposta de Mandato, Pesquisa Eleitoral etc.)

 

  • Os Produtos são os elementos concretos da ação para construir ou para mudar a realidade. Se for necessário constituir um aparato jurídico para o processo eleitoral, para tanto, são necessários alguns produtos como “equipe de advogados (as)”, como no exemplo, além de “equipe de apoio”, “equipamentos de informática” etc.
  • Os recursos são necessários para gerar os produtos. Em geral, os recursos são de natureza financeira (dinheiro). Outras vezes, são de natureza organizativa (equipes de voluntários para organizar eventos) ou cognitiva (conhecimento em informática para acompanhar a lacração das urnas eletrônicas).
  • A estruturação sempre está diretamente relacionada com a dinâmica da campanha, o que significa que, no momento inicial de planejamento, é desejável fazer apenas um plano básico, com os elementos mínimos necessários, que deverá ser aprimorado ao longo do tempo. Fazer um quadro para cada elemento (Mídia, Propaganda, Infraestrutura etc.).
  • Lembrar que os produtos podem ser fruto de aquisição ou podem ser conseguidos com trabalho voluntário ou doações diretas.

 

9) Quais devem ser os próximos passos?

Deverão ser acrescentadas outras perguntas julgadas necessárias pelos participantes da atividade.

O roteiro apresentado foi proposto para ser válido, de forma geral, tanto para campanhas a Prefeito (a) como para Vereadores (as). Cabe destacar que a pergunta orientadora sobre adversários deve ser minimizada para uma candidatura proporcional. Para um plano de campanha para vereadores (as), deve-se acrescentar perguntas para que sejam identificados em detalhe onde estão seus eleitores potenciais (região da cidade, segmento social, religioso ou categoria profissional) e sejam detalhadas ações para a conquista de apoiadores e lideranças-chave nesses diversos segmentos.