Na segunda-feira (07/05), completaram-se 30 dias de resistência em frente à sede da Polícia Federal, no bairro Santa Cândida, em Curitiba, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está em custódia como preso político. Organizadores e acampados fazem balanço positivo, destacando as expressões de solidariedade.

Para Regina Cruz, presidente da CUT-PR e uma das coordenadoras do acampamento Marisa Letícia e Vigília Lula Livre, em Curitiba, a resistência começou a ser construída antes do dia 7. “É mais de um mês de resistência. A partir do momento em que o Lula se dirigiu para o Sindicato do ABC, nós em Curitiba fizemos as primeiras reuniões com todos os movimentos e entidades que compõem a Frente Brasil Popular. Naquela noite não dormimos.  Ali começou a vigília, depois os atos em todo o Brasil, até o dia que montamos o acampamento em frente à sede da Polícia Federal”.

No sábado, 7 de abril, enquanto a resistência acontecia no Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo (SP), a militância em todo o país também estava indo para as ruas em protesto à prisão política do ex-presidente Lula. Em Curitiba, quando a informação de que ele se entregaria à Polícia e se encaminharia para a cidade chegou, imediatamente o acampamento começou a ser erguido nas imediações da PF.

“A unidade se consolidou naqueles instantes. Na mesma noite, já tínhamos uma organização de comissões e desde lá isso continua. Temos grupos para estrutura, disciplina, segurança, programação, alimentação”, relatou Regina ao fazer um balanço deste um mês de resistência. “As bombas no primeiro dia, a multa de 500 mil pela Prefeitura, o interdito proibitório, os constantes ataques de ódio são momentos que só fortalecem todos os que constroem este espaço de unidade e resistência”, finalizou.

Os números impressionam. Desde o início do acampamento, já foram recebidas mais de 1,5 toneladas de alimentos não perecíveis, além de carnes e vegetais frescos que são encaminhados às cozinhas assim que chegam. Em um dia nesta semana, a tenda chega a receber 40 quilos de carne. No outro, mais 40 quilos de frango e até 70 quilos de linguiça. No período mais movimentado do acampamento, foram servidos 1,4 mil almoços e 1,4 mil jantares diários para as mais de 500 pessoas que ficam permanentemente no acampamento em esquema de revezamento. No total, já são quase 5 mil cartas escritas para o ex-presidente.

Equador, México, Itália, Colômbia, Guatemala, Argentina, França, Estados Unidos, Inglaterra e Noruega são alguns dos países que já passaram pelo local, lutando ao lado de mulheres e homens de todos os estados brasileiros.

Às vésperas de completar 30 dias de sua prisão política, o ex-presidente Lula enviou uma nota de agradecimento à Vigília Lula Livre, dizendo que acompanha diariamente os atos de solidariedade feitos pela manhã e à noite e que está aguardando que Moro e o TRF 4 digam qual crime ele cometeu. Ao final da carta, o ex-presidente afirma: “Tenho certeza de que sou vítima de um conluio entre a imprensa e a Força Tarefa da Lava Jato que não sabem como sair da emboscada que se meteram com tantas mentiras. Estou tranquilo e sereno. Não sei se os acusadores dormem com a consciência tranquila que eu durmo. A minha tranquilidade é porque eu tenho vocês”.

Confira outros destaques:

1. Em carta a Gleisi, Lula diz por que tem que ser candidato

“Querida Gleisi,

Estou acompanhando na imprensa o debate da minha candidatura, ou Plano B ou apoiar outro candidato. Sei quanto você está sendo atacada. Por isso resolvi dar uma declaração sobre o assunto. Quem quer que eu não seja candidato eu sei, inclusive, as razões políticas, pois são concorrentes. Outros acham que fui condenado em 2a. instância, então sou culpado e estou no limbo da Lei da Ficha Suja. Os meus acusadores sabem que sou inocente. Procuradores, juiz, TRF-4, eu sou inocente. Os meus advogados sabem que eu sou inocente. A maioria do povo sabe que eu sou inocente. Se eu aceitar a ideia de não ser candidato, estarei assumindo que cometi um crime. Não cometi nenhum crime. Por isso sou candidato até que a verdade apareça e que a mídia, juízes e procuradores mostrem o crime que cometi ou parem de mentir. O povo merece respeito. O povo tem que ter seus direitos e uma vida digna. Por isso queremos uma sociedade sem privilégios para ninguém, mas com direitos para todos”.

2. Campanha contra venda do pré-sal e da Petrobras é lançada

Lideranças políticas, representantes da sociedade civil e trabalhadores da área de petróleo e gás lançaram, na quarta-feira (09/05), a campanha “O Petróleo é do Brasil”, uma articulação em defesa da Petrobras e do petróleo como patrimônios do povo brasileiro, ameaçados pela política entreguista do governo pós- golpe. Coube ao cientista Guilherme Estrella — ex-dirigente da Petrobras que coordenou a descoberta do pré-sal — apresentar à sociedade brasileira o manifesto da campanha, uma convocação a todos os “democratas e patriotas para impedir a maior traição ao Brasil moderno”, que é a entrega das jazidas petrolíferas nacionais ao interesse estrangeiro. Confira aqui a íntegra do manifesto.

3. PM do Paraná quebra acordo e abandona segurança em vigília

A Polícia Militar do Paraná retirou as viaturas que faziam a segurança das imediações do prédio da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde se encontra sob prisão política o ex-presidente Lula. No local, é mantida uma vigília com apoiadores do ex-presidente e do Estado de Direito no Brasil. As viaturas estavam ali desde que fora firmado um acordo entre os organizadores da vigília e as autoridades do governo paranaense e da Prefeitura de Curitiba, depois que uma pessoa ainda não identificada pela polícia disparou mais de 20 tiros contra o acampamento Marisa Letícia, localizado a poucos quilômetros dali. Pelo acordo, a segurança seria mantida no local, e os manifestantes se comprometiam a não utilizar equipamentos de som em seus atos contra a prisão política de Lula. Os manifestantes mantiveram sua parte no acordo. A polícia, não. Leia mais aqui.

4. Folha, Uol e SBT excluem Lula de sabatinas e PT exige espaço

Em mais uma atitude antidemocrática, parte da imprensa excluiu o candidato do PT à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, das sabatinas eleitorais. A Folha de S. Paulo, o Uol e o SBT cercearam o PT de apresentar suas propostas ao Brasil. Por isso, o PT encaminhou uma representação às direções desses veículos, reivindicando que um representante de Lula participe das sabatinas, uma vez que o ex-presidente, injustamente preso, não está inelegível. Leia mais aqui.

5. Bebês são torturados em ataque de pistoleiros a sem-terra no Pará

A Comissão Pastoral da Terra (CPT) denunciou, na segunda-feira (07/05), que um grupo de homens armados atacou um acampamento com dez famílias de trabalhadores rurais no município de São João do Araguaia, próximo à Marabá, no Estado do Pará. Segundo o relato da CPT, os homens chegaram encapuzados às margens do rio Araguaia, onde elas estavam acampadas, em duas caminhonetes com pistolas, revólveres e escopetas. Adultos e até bebês foram vítimas de uma seção de tortura por quase uma hora. Leia mais aqui.

6. Comissão de Direitos Humanos da Câmara é impedida de visitar Lula

A Comissão de Direitos Humanos da Câmara foi impedida pela juíza substituta Carolina Lebbos, da Vara de Execuções Penais de Curitiba, de vistorias as condições do cárcere do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. É a segunda vez que uma comissão que representa o Legislativo é barrada na Superintendência da Polícia Federal do Paraná, onde Lula está preso há 32 dias. Também foram barrados governadores e até mesmo o ganhador do Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel. Leia mais aqui.

7. “Lula não é um preso comum”, diz deputada argentina que teve visita barrada

Na segunda-feira (07/05), a juíza Carolina Lebbos indeferiu um pedido da comissão de Direitos Humanos do Parlamento do Mercosul (Parlasul) de visitar o petista na superintendência da PF em Curitiba. No pedido, deputados de Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela solicitaram a visita, usando como base tratados internacionais que dão o direito de fiscalizar a situação dos direitos humanos dos Estados que compõem o bloco do Mercosul. A deputada argentina Cecília Britto, presidente da Comissão de Direitos Humanos do Parlasul, afirmou que a visita da comitiva internacional “era não somente necessária, mas uma obrigação moral e política” para que o ex-presidente “tenha assegurado os direitos que lhe corresponde enquanto está no cárcere”. Leia mais aqui.

8. Testemunha aponta vereador e miliciano como mandantes da execução de Marielle

Em três depoimentos à Divisão de Homicídios da Polícia Civil, uma testemunha deu detalhes sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), morta a tiros junto com seu motorista em março. A testemunha revelou que o vereador Marcello Siciliano (PHS) e o ex-policial militar Orlando Oliveira de Araújo, que está preso, queriam a morte de Marielle, pois ela estaria “atrapalhando” milicianos em áreas em que ela avançou com seu trabalho comunitário. A testemunha, que está sob proteção policial, teria afirmado que foi forçado a trabalhar para Orlando, o ex-policial, e que presenciou reuniões entre o miliciano, antes de ser preso, e Siciliano em que planejavam a morte da vereadora do PSOL. Leia mais aqui.

9. Ministério Público tenta escapar mais uma vez do depoimento de Tacla Durán

O Ministério Público Federal quer que o Superior Tribunal de Justiça rejeite o recurso da defesa do ex-presidente Lula para ouvir o advogado Rodrigo Tacla Durán. O parecer do MPF, assinado pela procurador regional da 4a. Região, considera que ouvir Durán não é imprescindível. O que não é verdade. Tacla Durán prestou serviços como advogado da Odebrecht e, em dois depoimentos — um à CPI da JBS e outro à defesa do ex-presidente Lula, mostrou documentos em seu poder que não batem com os que teriam sido extraídos do sistema eletrônico de contabilidade da empresa. Essa disparidade revela que houve adulteração nos documentos. É um indício relevante de falsidade. Para afastá-la, o ex-advogado da Odebrecht submeteu seus papéis à perícia na Espanha, que atestou a sua autenticidade. Leia mais aqui.

10. Boff finalmente visita Lula na prisão

Trinta dias após a prisão, Lula recebeu a visita do velho amigo Leonardo Boff. A autorização para a visita foi concedida depois da humilhação a que o teólogo foi submetido no dia 19 de março ao ser impedido de visitar o ex-presidente Lula na sede da Polícia Federal em Curitiba (PR). O motivo foi assistência religiosa. Confira aqui o vídeo no qual Boff conta como foi a visita.

11. Argentina: Macri recorre a FMI para tentar debelar crise cambial

O presidente da Argentina, Maurício Macri, anunciou, na terça-feira (08/05), que seu governo iniciou negociações com o FMI para receber um empréstimo de ao menos US$ 30 bilhões para tentar debelar a crise cambial no país. “Diante dessa nova situação internacional e, de maneira preventiva, decidi iniciar conversas com o FMI para que nos concedam uma linha de apoio financeiro”, disse o mandatário em comunicado oficial. Leia mais aqui.