Em conversa com o jornalista Paulo Moreira Leite, o sociólogo e escritor Jessé Souza desmontou a farsa do triplex do Guarujá, pelo qual Lula foi condenado e preso, e a fábrica de mentiras para condenar o ex-presidente.

Ele considera que o ódio cravado na sociedade contra Lula é classista e contra o pobre. “Não existe preconceito regional. Ocorre, sim, o preconceito de classe, ou seja, é o pobre! O povo nordestino é discriminado porque mais de sua metade é pobre”, ressaltou.

Sobre o triplex, afirmou: “Essas pessoas deveriam usar óleo de peroba no rosto, a condenação foi baseada em uma reforma que nunca existiu, uma palhaçada”.

Jessé desconstruiu a farsa entre o poder Judiciário e a mídia para desmoralizar Lula. “Lula foi atribuído num esquema bilionário na Petrobras e o que ganhou em troca? Uma reforma na cozinha. Reforma essa que nunca existiu, num apartamento que nunca foi dele”, registrou.

Para ele, o MTST, com a ocupação, “desmontou a farsa de que o imóvel era luxuoso e reformado”. “A mídia investigativa, que deveria cumprir esse papel, não o fez. O portal R7 cometeu o absurdo de colocar a foto de um apartamento luxuoso qualquer atribuindo a imagem ao triplex do Guarujá”, criticou.

Notas fiscais suspeitas

As notas fiscais emitidas por empresas, algumas de Curitiba, para justificar a reforma inexistente no apartamento tríplex, no Guarujá, e servir de base para a condenação do ex-presidente Lula apontam para uma fraude processual. Nenhum dos produtos ou serviços cobrados, segundo a Justiça Federal, foi efetivamente entregue.

As notas fiscais foram emitidas pelas empresas Talento Construtora, GMV Latino America Elevadores, TNG Elevadores e Kitchens Cozinhas e Decorações. As duas primeiras têm sede na capital paranaense. Sequer os elevadores, a cozinha planejada ou as obras de alvenaria foram entregues, conforme constatou o MTST, ao ocupar o imóvel.

Participação dos Estados Unidos

Dando sequência à desconstrução da Lava Jato, Jessé de Souza expôs as relações promíscuas entre setores do Judiciário brasileiro e norte-americano, afirmando que os Estados Unidos lucram com o desmonte brasileiro. “Kenneth Blanco, que é subprocurador-geral do Departamento de Estado Americano, comemorou a cooperação norte-americana com os procuradores da Lava Jato. O que antigamente era combinado por debaixo dos panos, hoje em dia é feito à luz do dia, sem pudor algum”, denunciou.

Jessé considera a influência norte-americana no Brasil o fator que exige maior preocupação. “Essa parceria entre Judiciário brasileiro e norte-americano é completamente ilegal, pois fere o respeito aos tratados que exigem a formalização desses acordos, protegendo dessa forma interesses nacionais. Enviar informações secretas do Brasil sem nenhum critério é um crime de lesa pátria”, concluiu.

 

Confira outros destaques:

 1. Lula: “Sou inocente. E não sei se meus acusadores são”

Em vídeo gravado momentos antes de se apresentar à Polícia Federal em São bernardo do Campo, no dia 7 de abril, o ex-presidente Lula mandou um importante recado ao Brasil e aos seus algozes. Confira aqui.

2. Prisão de Lula faz disparar filiações ao PT

A prisão do ex-presidente Lula fez disparar as filiações ao Partido dos Trabalhadores. Desde a detenção do petista, há 16 dias, foram registradas 3.230 filiações, 30% do total de 11 mil inscrições contabilizadas desde janeiro. A última parcial da dimensão do partido apontou, segundo registros internos, 2,1 milhões de filiados, dos quais 44% são mulheres. Nas cidades com mais de 500 mil habitantes, as mulheres respondem por 51% dos filiados. O PT é o maior partido em número de filiados do país. Leia mais aqui.

3. ‘Não somos países pobres, somos países empobrecidos’, diz Pérez Esquivel

Em entrevista exclusiva ao Brasil de Fato, o ganhador do Prêmio Nobel da Paz e ativista pelos Direitos Humanos Adolfo Pérez Esquivel falou sobre os sucessivos ataques à democracia na América Latina. O argentino destacou que os golpes de Estado atualmente têm uma característica particular: a cumplicidade das instituições e, por isso, podem ser classificados como ‘golpes brandos’. Esquivel também comentou sobre o crescimento da extrema-direita e a importância da unidade dos países latino-americanos na construção de um projeto econômico que não seja refém do capital estrangeiro. Leia mais aqui.

4. Medidas de exceção se espalham, diz Pedro Serrano

“O sistema de Justiça, que daria garantia aos direitos fundamentais, é quem o suspende”, disse o jurista e professor Pedro Serrano, da Pontifícia Universidade Católica (PUC), durante debate na sexta-feira (20/04), promovido pela Associação dos Advogados de São Paulo, que tinha como tema os 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ele identificou uma nova forma de autoritarismo, que evita chamar de Estado de exceção. Segundo ele, quando há crises no que chama de “blocos do poder” – que alguns chamariam de “elites” –, começam a surgir “paradigmas autoritários”. Essas práticas não pregam mais um absolutismo político, mas suspendem direitos sob a justificativa da segurança. “O medo é o principal discurso que justifica a exceção. Essas medidas de exceção vão se espalhando pela política”. Leia mais aqui.

5. Curitiba, quem diria, transformou-se na “Capital da Resistência”

Desde a chegada de Lula a Curitiba/PR, a conservadora cidade transformou-se na “Capital da Resistência”. Nas proximidades da sede da Superintendência Regional da Polícia Federal, onde o ex-presidente está preso, um acampamento foi montado por militantes, ativistas e apoiadores da maior liderança política e popular do país. Separados por uma faixa de segurança, que delimita e restringe o acesso nas proximidades do prédio – fruto de um interdito proibitório –, os manifestantes passaram os últimos dias. Atos políticos, manifestações artísticas e culturais são programadas diariamente no bairro Santa Cândida. A estimativa da organização do acampamento é que, diariamente, ao menos duas mil pessoas passam pelo local. Portanto, o grosso é de militantes que vêm de diversas regiões do Brasil. Pernambuco, Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e, evidentemente, São Paulo, são alguns dos locais de origem. Leia mais aqui.

6. PT e Psol promovem ‘vaquinha’ para financiar documentário contra Globo

O PT (Partido dos Trabalhadores) e o Psol (Partido Socialismo e Liberdade) promovem uma vaquinha para financiar a produção de um documentário contra o Grupo Globo. Intitulado de “A Fantástica Fábrica de Golpes”, o filme tem produção de John Ellis, o mesmo que produziu “Muito além do Cidadão Kane”, documentário de 1993. “Estou chocado que, tanto tempo depois, a TV Globo continue se comportando da mesma forma em relação à política brasileira”, disse Ellis. Segundo descrição na plataforma de crowdfunding, o filme tem como objetivo “reabrir a discussão a respeito da parcialidade e ética jornalística da Rede Globo e grande mídia em geral”. Leia mais aqui.

7. Cineastas e artistas lançam manifesto em defesa da democracia e criticam prisão de Lula

Um manifesto escrito por cineastas, atores e outros artistas a favor da democracia no Brasil, da defesa da Constituição de 1988 e com críticas à prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já angariou mais de 450 assinaturas desde que foi lançado, na semana passada. O texto pede que aqueles que acreditam na democracia se manifestem frente a qualquer ato que possa colocá-la em risco. Entre outros nomes, assinam o documento os cineastas Rosemberg Cariry, Roberto Gervitz, Murilo Salles, Rui Guerra, Lucia Murat e Toni Venturi; os atores Marieta Severo, Bete Mendes, Andrea Beltrão, Daniel de Oliveira, Deborah Bloch e Matheus Nachtergaele. A ideia de fazer o manifesto veio da vontade de estimular uma movimentação da sociedade na luta pela democracia, que o grupo considera ameaçada. “Os espaços estão diminuindo: a gente assiste a uma regressão de instâncias da sociedade brasileira. Nossa preocupação é alertar as pessoas, fazê-las pensarem”, disse Roberto Gervitz. Leia mais aqui.

8. FNL fará marcha em São Paulo pela democracia e liberdade de Lula

A Frente Nacional de Luta no Campo e Cidade (FNL) anunciou que fará uma marcha, a partir do próximo dia 21 de maio, contra a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela democracia no País. Segundo a FNL, a marcha reunirá militantes de 11 estados e percorrerá cerca de 600 km dentro do estado de São Paulo, saindo de Presidente Prudente até a capital paulista. “Nosso objetivo, além da Liberdade de Lula, é fazer o debate político com a sociedade nas cidades onde a Marcha passar. Entendemos que sem a participação da sociedade em grandes mobilizações, a direita fascista vai dar o golpe militar, levando o nosso pais mais uma vez a mergulhar na escuridão”, diz a entidade. Leia mais aqui.